terça-feira, 28 de julho de 2009

Fãs organizam petição online para indicar Michael Jackson ao Nobel da Paz


Abaixo-assinado para condecorar os esforços humanitários do cantor conta com mais de 16 mil assinaturas eletrônicas; eis o problema: o comitê do prêmio não aceita indicações póstumas

Já são mais de 16 mil assinaturas na petição online que propõe a entrega do Nobel da Paz para Michael Jackson. De acordo com o jornal britânico The Guardian, a indicação foi primeiramente sugerida pela fã norueguesa Ola Hunnestad, em abril de 2007. Com a morte do cantor, em 25 de junho, aos 50 anos, a iniciativa ganhou fôlego.A proposta de Ola Hunnestad já colheu 11,4 mil adesões. Cerca de outras 5 mil pessoas também aderiram à causa, dessa vez apoiando uma carta aberta enviada por Anneliese Nichole Brown ao comitê responsável pelo prêmio, situada em Oslo, capital norueguesa. "A mensagem de Michael à humanidade sempre foi enraizada em compaixão e bondade", escreveu a estudante de Los Angeles, há duas semanas.Brown listou alguns atos para sublinhar o potencial do candidato. Um deles foi a queimadura sofrida em 1984, quando o astro gravava um comercial para a Pepsi. "Michael ganhou US$ 1,5 mi em um acordo judicial e doou [a quantia] ao Centro de Queimaduras Michael Jackson."Também ganharam destaque os US$ 60 milhões gerados pelo single We Are the World, organizado e coescrito por Jackson com o objetivo de arrecadar fundos para o combate à fome na África. A faixa contou com mais de 40 artistas, entre eles Harry Belafonte (autor da ideia), Lionel Richie, Bob Dylan, Diana Ross, Cyndi Lauper e Stevie Wonder.A contribuição global mais impressionante, segundo Brown, foi a criação, em 1992, da Fundação Heal the World ("cure o mundo", em português), "responsável por educar crianças a respeito do perigo de drogas e álcool". Para a fã, a instituição merece crédito ainda por ter doado "milhões de dólares para suprir necessidades de crianças pobres", além de transportar 46 toneladas de suprimentos a Sarajevo, que, naquele ano, foi devastada por uma guerra entre bósnios e sérvios.O fato de ter tirado do bolso US$ 120 mil para bancar um transplante de fígado para Bela Farkas, criança húngara abandonada, também transforma Michael num candidato nato para o Nobel da Paz, defendeu Brown. "Esse é o tipo de caridade que fez com que seu nome entrasse no tópico de 'artistas que mais apoiam obras de caridades' no Guinness Book de 2000." Jackson também consta nesta lista de artistas que foram ao socorro financeiro das vítimas do 11 de setembro e do furacão KatrinaHunnestad está na campanha há mais tempo. Em 2006, a norueguesa escreveu a autoridades como o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, o ex-presidente norte-americano Jimmy Carter e o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan. "Infelizmente, não tivemos êxito, mas Kofi Annan e a ONU foram gentis o bastante para mandar uma resposta simpática."Bono e Bob Dylan já foram indicados, respectivamente, para o Nobel da Paz e da Literatura. Nenhum deles ganhou.Mas o problema, no caso de Jackson, não é só o status de azarão que os músicos têm na premiação. As regras do comitê até permitem Nobel póstumo - mas a pessoa precisa receber a indicação ainda em vida.Quer aderir à causa - ou, quem sabe, lançar novo abaixo-assinado, pedindo a alteração das normas? Clique aqui para conferir a iniciativa de Hunnestad e Brown.

Artista frances cria escultura de Michael Jackson na rua em Paris


Jean-Baptiste Seckler trabalha em frente ao centro Pompidou.Artista escolheu local público porque 'morte do cantor afetou a todos'

O artista francês Jean-Baptiste Seckler criou uma escultura em argila do cantor Michael Jackson em frente ao centro Pompidou, em Paris.

Ele diz que escolheu trabalhar na rua para quebrar o “silêncio e a concentração” necessários para esculpir ou pintar. O artista afirma que o local público é apropriado para uma obra em homenagem ao cantor porque “a morte do rei do pop afetou a todos, goste dele ou não”. Segundo Jean-Baptiste Seckler, muitos pintores são vistos trabalhando nas ruas de Paris, mas raramente escultores. Ele deu incício à obra no dia 25 de julho, aniversário de um mês da morte de Michael Jackson

Homenagem a Michael Jackson-The King Of Pop

Michael jackson um mitO, uma Lenda nunca te esqueceremos!


Michael Joseph Jackson (Gary, 29 de agosto de 1958Los Angeles, 25 de junho de 2009) foi um cantor, compositor, dançarino e produtor dos Estados Unidos.
Começou a cantar e a dançar aos cinco anos de idade, iniciando-se na carreira profissional aos onze anos como vocalista dos Jackson 5; começou logo depois uma carreira solo em 1971, permanecendo como membro do grupo. Apelidado nos anos seguintes de King of Pop ("Rei do Pop"), cinco de seus álbuns de estúdio se tornaram os mais vendidos mundialmente de todos os tempos: Off the Wall (1979), Thriller (1982), Bad (1987), Dangerous (1991) e HIStory (1995). Lançou-se em carreira solo no início da década de 1970, ainda pela Motown, gravadora responsável pelo sucesso do grupo formado por ele e os irmãos. Em idade adulta, gravou o álbum mais vendido da história, Thriller.
No início dos anos 1980, tornou-se uma figura dominante na música popular[1] e o primeiro cantor afro-americano a receber exibição constante na MTV. A popularidade de seus vídeos musicais transmitidos pela MTV, como "Beat It", "Billie Jean" e "Thriller" são creditados como a causa da transformação do vídeoclip em forma de promoção musical e também de ter tornado o então novo canal famoso. Vídeos como "Black or White", "Scream", "Earth Song", entre outros, mantiveram a alta rotatividade dos vídeos de Jackson durante a década de 1990. Foi o criador de um estilo totalmente novo de dança, utilizando especialmente os pés. Com suas performances no palco e clipes, Jackson popularizou uma série de complexas técnicas de dança, como o Robot, o "The Lean" (inclinação de 45º), o famoso "Moonwalk" entre outros. Seu estilo diferente e único de cantar e dançar, bem como a sonoridade de suas canções influenciaram uma série de artistas nos ramos do hip hop, pop, R&B e rock.
Jackson doou milhões de dólares durante toda sua carreira a causas beneficentes por meio da Dangerous World Tour, compactos voltados à caridade e manutenção de 39 centros de caridades. No entanto, outros aspectos da sua vida pessoal, como a mudança de sua aparência, principalmente a da cor de pele devido ao vitiligo e geraram controvérsia significante a ponto de prejudicar sua imagem pública. Em 1993 foi acusado de abuso de crianças, mas a investigação foi arquivada devido a falta de provas e Jackson não foi a tribunal. Depois, casou-se e foi pai de três filhos, todos os quais geraram controvérsia do público. O cantor teve experiências com crises de saúde desde o início dos anos 90 e sofreu também comentários sobre sua situação financeira. Em 2005, Jackson foi julgado e absolvido das alegações de abuso infantil.
Um dos poucos artistas a entrarem duas vezes ao Rock And Roll Hall of Fame, seus outros prêmios incluem vários recordes certificados pelo Guinness World Records - um deles para Thriller como o álbum mundialmente mais vendido de todos os tempos - dezenove Grammys em carreira solo e seis Grammys com os The Jacksons e 41 canções a chegar ao topo das paradas como cantor solo - e vendas que superam as 750 milhões de unidades mundialmente,[2] sendo que alguns empresários da Sony já registram a incrível marca de mais de 1 bilhão.[3] Sua vida, constantemente nos jornais, somada a sua carreira de sucesso como popstar fez dele parte da história da cultura popular por mais de quatro décadas.[4] Nos últimos anos, foi citado como a personalidade mais conhecida mundialmente.


Vindas de michael jackson ao Brasil

A primeira vez foi em setembro de 1974, quando ele tinha apenas 16 anos, com os Jackson Five, que faziam uma turnê pela América Latina, apresentando-se em São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Belo Horizonte;

A segunda vez foi em outubro de 1993: Michael fez dois shows no Estádio do Morumbi, em São Paulo. Na saída de uma visita a uma fábrica de brinquedos, um dos veículos da comitiva de Michael atropelou dois irmãos: a menina sem gravidade e o menino quebrou a perna. Michael visitou o rapaz no hospital

A última vez foi em fevereiro de 1996[11], quando ele esteve novamente no Brasil para gravar um clipe da canção They Don't Care About Us, na Favela Santa Marta do Rio de Janeiro e no Pelourinho, em Salvador
Obs: a música é ótima para ouvir clique aqui >> http://http//www.youtube.com/watch? v=gCqQ2JcQWGs&feature=rec-HM-rev-rn

vc nao vai se arrepender xD

Abúns do Rei

Got To Be There (1971)
Ben (1972)
Music and Me (1973)
Forever, Michael (1975)
Off the Wall (1979)
One Day in your Life (1981)
Thriller (1982)
Farewell my Summer Love (1984)
Bad (1987)
Dangerous (1991)
HIStory: Past, Present and Future – Book I (1995)
Invincible (2001)


video

A morte de um dos maiores idolos pop

Em 25 de junho de 2009, foi noticiado que Michael Jackson sofreu uma parada cardíaca em sua casa, na vizinhança de Holmby Hills, Los Angeles, CA, Estados Unidos. Os serviços de emergência médica socorreram o cantor em sua casa, na tentativa de reanimá-lo. Porém, como Jackson se encontrava em estado de coma profundo, ele foi levado às pressas para o Ronald Reagan UCLA Medical Center, o hospital universitário da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). Desde sua internação, rumores haviam se espalhado pela imprensa confirmando seu falecimento. Sua morte teve uma repercussão internacional instantânea, sendo motivo de preocupação por parte dos fãs em muitas partes do mundo.

O Funeral

O adeus a Michael Jackson foi no dia 7 de julho de 2009. Primeiro o corpo foi velado em cerimônia privada no Forest Lawn Memorial Park's Hall of Liberty, somente para familiares e amigos íntimos. Logo em seguida o corpo foi levado para um ato público no Staples Center, onde 17.500 pessoas acompanharam o tributo. Estima-se que até dois bilhões de pessoas tenha assistido ao funeral pela televisão, já que emissoras do mundo todo transmitiram o evento ao vivo.